É natural que o crescimento no uso de tecnologia tenha direcionado ataques a esses meios de trabalho.

Portanto, é necessário tomar alguns cuidados que são rotineiros na nossa vida e no mundo virtual, na maioria das vezes, deixamos de lado.

Se abordarmos o mundo corporativo, os impactos de um acesso indevido às informações sigilosas podem ser impossíveis de medir.

Por isso, é vital que as empresas adotem medidas preventivas e eduquem seus colaboradores para os desafios dos ambientes corporativos que aproveitam de capacidades tecnológicas.

Uma medida que contribui para evitar esse problema é o uso do antivírus.

Nesse post vamos falar qual a importância dele para lidar com os ataques cibernéticos. Continue lendo e confira!

Qual a importância de ter um antivírus?

Os antivírus atuais abordam uma série de ferramentas com atributos de firewall, antispam e antispyware.

Esses sistemas podem alertar o usuário e a equipe técnica sobre softwares desatualizados e vulnerabilidades.

Esse tipo de programa também monitora comportamentos suspeitos de uma aplicação ou componentes maliciosos em uma mensagem de e-mail.

Caso haja uma política mais restritiva da empresa, o antivírus pode realizar intervenções quando detectar atividades suspeitas e bloquear programas que as estejam realizando.

Quais ataques mais comuns nas plataformas de nuvem?

Existem ataques que estão em alta no mundo cibernético.

Geralmente, o hacker combina uma série de técnicas para que o usuário execute um código malicioso, muitas vezes, através de armadilhas que o induz a ignorar alertas de antivírus.

Uma técnica muito utilizada é explorar falhas de segurança em sistemas desatualizados.

Muitas empresas ainda trabalham com sistemas obsoletos com mais de 15 anos no mercado, seja por comodidade de seus usuários ou por incompatibilidade de seus sistemas legados.

Entre os ataques principais e mais comuns podemos citar:

Ransonware

Esse ataque ocorre através de um código malicioso que o hacker envia ao usuário e o induz ao erro de executá-lo.

Quando há brechas de segurança no sistema, o hacker injeta o código malicioso e o executa remotamente.

Quando o ataque é bem-sucedido o hacker decide por tornar inacessíveis os arquivos ou o dispositivo todo.

Geralmente usa-se criptografia e um valor de resgate é exigido para restabelecer o acesso normal.

Encriptação

A encriptação consiste em aplicar chaves criptográficas sobre o sistema invadido, fazendo com que essa criptografia só possa ser revertida utilizando essas chaves.

Todos os elementos do ataque, geralmente, são aleatórios, portanto, o hacker, em regra geral, só saberá que foi bem-sucedido caso haja um pedido de resgate da parte do usuário infectado.

Sequestro de dados

Quando o ataque de ransomware é bem-sucedido, o hacker deixa uma mensagem para que o usuário faça um pagamento e siga instruções para reverter a criptografia.

Não é recomendado realizar pagamentos nesses casos, pois, não há garantias de que seus dados serão recuperados.

Por isso, trabalhe sempre com medidas preventivas, tenha backups consistentes e um antivírus bem configurado para que tais ataques sejam mitigados.

Caso o pior aconteça, é possível encontrar ajuda online através de comunidades a nível global que decifram ransomwares e liberam gratuitamente as chaves para desbloqueio.

Caso a reversão não seja possível, é imprescindível poder contar com seu último backup para recuperar todo seu ambiente.

Agora que você já sabe da importância do antivírus, conheça as soluções da CL9 Tecnologias e tenha seus ambientes em conformidade com as melhores boas práticas de segurança!

 

(Imagens: divulgação)


  • Share:
Contato via Site CL9