As empresas estão ficando cada vez mais digitalizadas, por conta disso, a dependência da tecnologia passou a ser algo que precisa ser planejado para que não haja indisponibilidade e, consequentemente, prejuízo às atividades corporativas.

Hoje vamos falar sobre uma estratégia que pode salvar seus dados quando os planos de contingência e redundância não forem suficientes para manter seu negócio online, o disaster recovery.

Continue lendo nosso post e confira o que ele é e como traçar uma estratégia.

O que é disaster recovery?

Em tradução livre, a recuperação de desastres é um conjunto de ações que deve ser tomado para que se recupere o status de bom funcionamento de um software ou serviço após um incidente de desastre, ou seja, uma perda total ou parcial do sistema principal.

Para que haja sucesso em um disaster recovery, deve-se haver um plano muito bem detalhado que deixe explícito cada ação a ser tomada e, dessa forma, toda a gama de serviços possa ser restabelecida.

Uma situação de desastre, que culminaria na ativação do disaster recovery, pode ser:

  • ataque bem-sucedido,
  • vírus,
  • catástrofes naturais,
  • queima de equipamentos,
  • roubo,
  • entre outros.

A ação coordenada de recuperação deve prever todas essas possibilidades e, assim, executar as medidas adequadas.

Como traçar uma estratégia

Para que um disaster recovery seja eficiente é preciso que haja um bom nível de governança nesse sentido.

Dessa forma, a organização pode compreender melhor quais são os riscos que estão sendo enfrentados e estar alinhada com o setor de TI.

Conhecendo as ameaças é possível responder adequadamente aos incidentes e, consequentemente, garantir que os serviços corporativos estarão online o quanto antes, ainda que o pior venha a acontecer.

Vejamos alguns pontos cruciais para um disaster recovery bem-sucedido:

Fazer backups

Utilizar ferramentas de backup é algo indispensável para qualquer companhia informatizada.

Quando o pior acontecer, o backup, com certeza, será sua única fonte de dados para uma recuperação integral.

Por isso, é importante que eles sejam regulares e adequados a cada sistema.

A frequência com que se realiza cópias de segurança é um fator crítico para determinar em qual estado os sistemas poderão ser recuperados.

Outro ponto a ressaltar é que todo backup deve passar por testes, afinal, não existe recuperação de dados se não for possível restaurar o conteúdo armazenado.

Testes de integridade e restauração devem fazer parte da rotina de backup religiosamente.

Crie um plano de disaster recovery

O plano de recuperação é um documento que explica detalhadamente cada atividade a ser executada após uma catástrofe.

O objetivo é evitar ao máximo o impacto gerado por um incidente do tipo.

Esse plano deve ser constantemente executado em ambiente de teste e passar por processos de melhoria contínua para que se torne cada vez mais eficaz.

Um alto desempenho do plano de recuperação é vital para que um incidente e seus impactos sejam reduzidos e tudo retome a normalidade o mais breve que seja possível.

Prepare-se

Fazer simulações de recuperação de desastre é tão importante quanto o plano em si.

Um momento como esse, geralmente, impacta também no psicológico da equipe de TI, que necessita estar extremamente segura de como proceder e atingir o sucesso nos procedimentos ainda que haja algo inesperado.

Quando algo não previsto acontece em uma simulação, vê-se a importância do procedimento e assim é possível que as devidas correções sejam feitas, tanto na configuração das ferramentas utilizadas, no mindset da equipe e no documento em si.

Agora que você já sabe o que é e como traçar uma estratégia de disaster recovery, inscreva-se em nosso blog e acompanhe mais posts sobre o tema!

(Imagens: divulgação)


  • Share:
Contato via Site CL9